1 de maio de 2014

AYRTON SENNA DA SILVA (UM ÍDOLO PARA TODOS)

Uma foto que guardo na memória (não foi eu que registrei, mas eu tenho essa imagem na cabeça)

Há 20 anos atrás em um domingo normal até então, um acidente fez o mundo parar, esse era o verbo quase impronunciável pela pessoa que sofreu esse acidente, sim Ayrton Senna da Silva é a vítima desse acidente, eu confesso para todos que tudo que tiver ligado a ele estiver passando em algum lugar (TV, Internet, Rádio) eu vou parar do que eu estiver fazendo para prestar a atenção no que está passando, isso me ocorreu no 1º episódio que a Rede Globo fez no especial pra ele, eu acordei cedo no domingo (coisa rara) fiquei assistindo o Esporte Espetacular inteiro e quase no final comecei a dar uma cochilada, aí vai começar o especial acordei (sim parei de cochilar para ver o Senna), eu sou um fã como todo mundo é, li um livro* emprestado do meu pai que conta a vida do Senna, alguns detalhes que eu não conhecia, pois eu como quase a grande maioria não conhecia a intimidade de Ayrton Senna, virei mais fã dele, mas ainda continuo um humilde fã que ainda quer saber mais e mais dele. Voltando ao começo do meu texto, nesse domingo trágico aconteceu no Grande Prêmio de San Marino do ano 1994, na curva Tamburello que Ayrton Senna entrou em alta velocidade (como eu disse o verbo parar quase impronunciável por ele) e acabou perdendo o controle do carro e bateu no muro de proteção e foi aí que fez o mundo parar, lembrar disso não agrada ninguém, mas foi assim que o mundo inteiro viu e parou, lágrimas caiam de todos os presentes no autódromo, nas casas que assistiam a corrida pela TV, acho que não tinha ninguém que não chorou nesse domingo, eu chorei ao saber da morte dele, apesar de ter apenas 7 anos de idade, eu adorava ver o Ayrton correr, eu tinha revistas em quadrinhos que fizeram dele, a do Senninha, eu adorava ver corrida de kart, tinha vontade de andar de kart para algum dia ser igual a ele, acho que muitos garotos queriam isso, além de ser jogador de futebol. Após esse domingo eu perdi a vontade de ver corridas de F1, pois não via mais motivo de ver e não ter mais o Senna correndo, foi automático esse meu distanciamento de assistir a F1, até que um dia vejo que o sobrinho do Ayrton Senna iria correr animei, mas infelizmente não foi a mesma coisa que ver o tio, me distanciei de novo de assistir a F1, não espero mais um novo Senna, pois hoje em dia não vai ter mais um piloto que vai carregar um carro com uma única marcha até o final da corrida como Ayrton Senna fez na sua sonhada primeira vitória no Grande Prêmio do Brasil no ano de 1991, hoje em dia tem mais máquinas (tecnologias) levando pilotos para passear que parecem o Batmóvel, não sou contra essas tecnologias, mas sinto que não existe mais o domínio do homem sobre a máquina e a sensibilidade que o Senna tinha de saber aonde ajustar para ser o melhor em cada pedaço da pista. Ayrton Senna me ensinou uma lição que vou compartilhar com vocês, ele era patriota como poucos e como patriota nunca abandonou o Brasil de seus pensamentos, mesmo sabendo que o Brasil era deficiente em vários quesitos (ainda hoje é, mais um pouco menos) ele não deixou de ter orgulho do seu país e acho que o orgulho também era mútuo, eu como ele sou patriota amo meu país como ele é, sim com defeitos e qualidades, se preciso defendo e se preciso falo mal, mas nunca tenho vontade de morar em outro país além desse que tenho orgulho de morar. Para finalizar vou deixar duas músicas que me fazem lembrar dele e infelizmente fico triste de ouvir (é a minha tortura saudável que escuto pra lembrar, mas acabo ficando triste)

A primeira é Canção da América do Milton Nascimento, ela não foi composta para o Ayrton Senna, mas ela ficou eternizada por muitas pessoas como homenagem.

A segunda é Tema da Vitória que tocava todas as vezes que o Ayrton Senna ganhava, também não foi feita pra ele, mas muita gente lembra dela quando tocada quando o Senna desfilava após a vitória com a bandeira do Brasil com todo o orgulho.


Ayrton Senna - O Herói Revelado (Esse é o livro que eu li e recomendo para vocês lerem)

3 comentários:

  1. É isso aí, amigão. Aquele domingo ficou na memória, como tantos domingos que vimos o campeão arrasar na pista. Muito bom texto, muito boas lembranças. Abração

    ResponderExcluir
  2. O cara era simplesmente sensacional!

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com o Fábio aí acima!!!...
    Ótimas escolhas de músicas Arthur!
    Abç

    ResponderExcluir