13 de outubro de 2016

SIMPLES DE CORAÇÃO


Deixo o vento gélido bater no meu rosto pálido
Vejo várias rosas maravilhosas caindo como chuva
Lágrimas de verdadeiros amigos me deixam triste
Nessa noite estou deitado num leito diferente
Uma paisagem sombria que não paro de admirar
As ruas estão quietas como nunca ficaram

Taciturna noite que não vai findar tão cedo
Vinho tinto derramado no meu peito gélido
Olhos fechados sem sono e sem vontade
Órgãos vitais vivendo em outros corpos
Essa é a mais importante contribuição que queria realizar
Fui feliz até o último segundo da minha existência

Não fui importante no mundo como queria
Mas fiz a minha marca nos corações certos
Escrevi versos de poesias para me distrair
Leitores admiravam ou tentavam entender minhas poesias
Um dia sonhei com a seguinte frase
Num imenso jardim não vemos a semente que gerou este grandioso paraíso 

Arthur Claro

Essa poesia foi criada sobre a morte, porém inspirada em poesias ultra-românticas, eu meio que fiz uma poesia de despedida, eu na época que escrevi ela tava no auge da influência das poesias de Álvares de Azevedo, quero pedir perdão para todos que acharam forte esta poesia. E a frase final foi realmente vinda em um sonho e depois que usei ela na poesia, a imagem foi retirada do Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário