11 de junho de 2015

TEMPO INERTE


O relógio faz seu tic-tac sem cansar
O namorado beija sua amada sem parar
O pássaro cantando alegremente quando voa
O céu fica límpido para ser admirado
E eu poeta posso ficar apaixonado?
Disse o jovem leitor que parece estar à toa

A borboleta repousou na bela flor
A paixão cura qualquer mau e dor
A saudades que sinto quando não te vejo
A verdade sempre junta dos amantes
Desculpe poeta não quero entregar a ela diamantes
Espantado o leitor revida um desejo

O encontro no parque para muito se amar
A garota de saia indiana é de se embasbacar
O garoto trás um belo ramalhete de rosas
As bocas se beijam lascivas e freneticamente
E um amor nasce para ser lembrado eternamente
Deleitando o leitor fica observando garotas formosas

A paixão pega qualquer um quando menos espera
O coração dispara e parece uma fera
A paciência é a virtude que temos que possuir
O compreendido faz de tudo para ter liberdade
Desculpe poeta novamente mais tenho que ter sinceridade?

E preciso deixa ela e as amigas sozinhas sair?

Arthur Claro

Essa poesia foi criada sobre a simplicidade da vida, o amor deixa o tempo inerte.

Um comentário:

  1. Bela poesia de um poeta apaixonado!!!
    Bjs Arthur

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir